quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Educação Sexual é MUITO MAIS do que anatomia e fisiologia humana.






Percival Puggina

A imprensa registra, periodicamente, fatos exóticos ou escandalosos envolvendo iniciativas pedagógicas no campo da educação sexual. Quando isso acontece, escolas que pretendiam atuar responsavelmente nesse campo, recuam, e os pais ainda mais. O tema é delicado.

Afinal, educação sexual é necessária? Sim, e muito. Os equívocos que se tem percebido nas experiências feitas decorrem de idéias erradas sobre o que seja Educação. Isso não é incomum porque raramente quem exerce o poder, ou quem exerce a hegemonia no campo da cultura, abre mão da prerrogativa de instrumentalizar a sala de aula. E a educação – educação de verdade – acaba punida com suspensão. A educação sexual deveria versar sobre responsabilidade moral.



A liberalidade com que o temário é abordado nos meios de comunicação tem feito com que as crianças deste final de milênio pareçam ter vindo ao mundo perfeitamente a par dos “fatos básicos da vida” (como se dizia antigamente), da mesma forma como parecem nascer gostando de ketchup e sabendo mexer com computador e outros instrumentos eletrônicos.

Portanto, a necessária educação sexual não deve ser confundida com simples instrução sobre anatomia sexual, desenvolvimento dos órgãos sexuais e fisiologia do ato sexual. Menos ainda há de ser vista como simples oportunidade curricular para orientar a garotada com vistas à prática do chamado sexo seguro. Educação vai bem além da informação. Nos tempos de FHC já era por esses maus caminhos que as coisas andavam.

Com Lula, piorou nuito. A força política dos movimentos ultraliberais dentro do governo quis levar para a sala de aula não apenas a informação, mas a divulgação das alternativas sexuais, apresentando-as aos jovens como um cardápio de degustação. Assim, tivemos o kit gay e, em 2010, a distribuição do livreto “Mamãe como eu nasci?” (procure por ele no Google), que levou os desenhos tipo Carlos Zéfiro para dentro da sala de aula, com direito à propaganda da masturbação. Tudo para crianças.

Quanto mais forem estimuladas as “brincadeiras sexuais” entre crianças (é esse o nome dado por muitos peritos em sexualidade infantil que andam por aí) mais estamos preparando o terreno para a pedofilia. Por outro lado, quanto mais os jovens parecem saber sobre sexo, mais evidências dão de andar desorientados sobre os muitos aspectos que transbordam da questão anatômica e fisiológica e que envolvem o caráter incomparavelmente humano da sexualidade.

Ao contrário do que a cultura contemporânea se empenha em sustentar, nenhuma ação que pratiquemos é apenas biológica ou animal. Se tudo o que fazemos é humano por natureza, que dizer-se do ato com que a própria vida tem origem? Quanto mal produz quem transmite a jovens (e a adultos) conceitos que reduzem o sexo a artigo de consumo, a pessoa ao corpo e o corpo a um parque de diversões! Toda ação humana envolve uma escolha entre agir e não agir. E tanto uma quanto a outra implica o discernimento moral e a responsabilidade pessoal ante a opção feita.

Há uma passagem em Lucas (Lc 17.1-3) que merece ser citada para ressaltar a malevolência em que incorre o material pedagógico antes referido, mormente quando reiteradamente se revela política de governo: “É inevitável que haja escândalos, mas ai daquele que os causar! Melhor lhe fora ser lançado ao mar com uma pedra de moinho enfiada no pescoço do que escandalizar um só desses pequeninos.”

Não me surpreendeu saber que o autor do tal livro, que tem um parceiro de prateleira chamado “Menino brinca de boneca?”, graduou-se em Cuba. Faz sentido. Faz sentido que com esse notável background pedagógico conquiste a glória e as facilidades do erário num governo petista

* Percival Puggina (67) é arquiteto, empresário, escritor, titular do site www.puggina.org, articulista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Você não pode separar o casamento do sexo, diz cardeal Urosa .


CARACAS, 07 de agosto 12 / 06:08 ( ACI / EWTN Notícias ) -. OArcebispo de Caracas (Venezuela), o cardeal Jorge Urosa Savino, incentivou os jovens a sentir-se orgulhoso de serem cristãos e chamou-os a promoverem a santidade da  família  e o controle pessoal salvando o sexo para o amor verdadeiro dentro do casamento. "Não se pode separar a atividade sexual do verdadeiro amor no casamento, fornecendo proteção e estabilidade aos cônjuges e filhos de uma família estável, amorosa e unida . A prática sexual deve ser uma expressão do amor autêntico, e ser enquadrado na família juntos para sempre, com carinho, respeito e lealdade para a vida ", disse ele durante a missa  de encerramento do Encontro Nacional da Juventude realizada no domingo. De Valência (Venezuela), o cardeal disse ao deboche afetivo-sexual, que é uma das ameaças do mundo moderno, os jovens cristãos devem responder "com o compromisso de promover e fortalecer o amor da família e o respeito pelas pessoas " . promover a santidade da família, e para nós valorizar a união conjugal cristã, santificada pelo próprio Jesus para o santo sacramento do matrimônio" disse ele. O Cardeal Urosa também chamou os jovens para fortalecer a sua prática religiosa, especialmente freqüentando a missa no domingo. "Devemos, portanto, ser firme na fé e praticá-lo, viver em constante união com Deus , que está sempre ao nosso lado e que quer ter um lugar especial em nossos corações ", disse ele. Além disso, durante a homilia, instados a enfrentar o desafio de desprezo pela vida humana,  "Os cristãos sabem que cada pessoa é criada à imagem e semelhança de Deus, temos uma alma imortal, nós temos direitos inalienáveis. E o mais importante é o direito à vida (...). Por isso, rejeitamos o aborto, que é um crime abominável " as " drogas, seqüestro, homicídio, roubo, a violência  crimes que está inclinando cada ano mais de 15.000 vidas, especialmente os meninos e jovens adultos ", disse . Finalmente, o Arcebispo de Caracas convidou os jovens a considerar "a possibilidade de seguir Jesus Cristo na Igreja como sacerdotes ou religiosos, religiosas. " "É uma bela vida, daqueles que se consagram a Deus que traga a sua luz na vida de muitas pessoas que vivem na escuridão. É uma longa vida para fazer o bem, para ser instrumentos de paz, para ser mensageiros e embaixadores de Cristo, promotores da vida e da felicidade ", disse ele.

terça-feira, 31 de julho de 2012

O diabo odeia a família porque é imagem da Trindade, assegura exorcista norte-americano


VATICANO, 26 Jul 2012. Um sacerdote americano que atualmente está treinando para ser exorcista na diocese de Roma (Itália), assegurou que o diabo e os demônios em geral odeiam a família porque esta é "uma imagem da Santíssima Trindade". 


Em entrevista concedida ao grupo ACI, o presbítero, que preferiu manter-se no anonimato, assinalou que entre os fatores comuns que encontra nas pessoas possuídas vê pessoas com "profundas feridas em suas vidas e sobre tudo, na família". 

O sacerdote indicou que o demônio facilmente tem acesso às famílias onde "os pais fizeram escolhas realmente más", e ao fazerem assim "convidaram influências malignas ao interior do seu lar" 


As más ações que atraem o demônio aos lares são "a infidelidade conjugal, o aborto, ou fazer coisas que desunem a famílias". assinalou.



segunda-feira, 30 de julho de 2012

QUATRO PASSOS PARA ORAR COM SEU CÔNJUGE.



Você já se perguntou como orar mais intimamente com seu marido? Gostaria de ser espiritualmente mais perto de sua esposa? Uma vez que a Santa Missa é a oração perfeita de Cristo e sua noiva a Igreja, os casais pode aprender muito com a Igreja sobre como orar juntos, aumentando sua privacidade. Os cônjuges que querem aprender a rezar juntos pode começar a seguir a mesma estrutura que segue a Missa. Então, vamos olhar primeiro para como o povo de Deus, a Igreja, reza durante a missa, e depois explorar quatro passos simples para orar com seu cônjuge.


Estrutura da Missa
A missa é composta por quatro partes: o Rito de Entrada, a Liturgia da Palavra, a Liturgia da Eucaristia e do rito de conclusão. No Rito de Entrada, a Igreja se reúne, faz o sinal da cruz, e pede perdão a Deus, que prepara nossos corações para uma união mais profunda com Ele. Em seguida, vem a Liturgia da Palavra, durante a qual ouvimos ativamente leituras bíblicas. Esta fase é comparável a uma conversa entre Cristo e a Igreja, Cristo nos fala nas leituras e nós cantamos louvores a Deus com o coração.  Então, na liturgia eucarística, Cristo e a Igreja trocam seu amor mútuo. Ao transformar o pão e o vinho no Corpo e Sangue de Cristo, Cristo torna-se substancialmente presente. Ele se dá na Eucaristia e nós, ao mesmo tempo, recebemos e damos a nós mesmos a Ele, mais profundo, uma união íntima. Por fim, o rito de conclusão lembra-nos ir em paz para servir ao Senhor para sempre.

Quatro etapas fáceis
A oração com seu cônjuge deve ser simples e gratificante. É possível iniciar seguindo a estrutura da missa. Aqui é um processo de quatro etapas para rezar juntos como marido e mulher.

Primeira Etapa: Reconciliação e ser cheio de alegria
Em primeiro lugar, arranjar algum tempo durante a semana para os dois, sozinhos, se encontrem em um lugar confortável e privado.  Faça o sinal da cruz e tenha um momento para estar presente um para o outro e com Deus ,como o início da missa. Para começar, ter tempo para conciliar, falar sobre como eles poderiam ter ferido um ou outro durante a semana, então se desculpar e perdoar. Isso irá ajudá-los a se aproximar de Deus com o coração aberto e estar unidos em oração. Depois de ter reconciliado, alegrar-se, oferecendo uma oração de agradecimento e louvor a Deus.

Segundo passo: descobrir Deus Juntos
O segundo passo é baseado na Liturgia da Palavra. Depois da reconciliação e cheio de alegria, passar algum tempo a descobrir a Deus juntos.  Se você não sabe por onde começar a ler a Bíblia, uma boa opção é ler o evangelho a ser proclamado no dia. Leituras de missa para cada dia você pode ver na http://www.cnbb.org.br/liturgia/app/user/user/UserView.php   Outra opção é ler os Salmos, que são chamados de "livro de orações". Os Salmos expressam alegria e dor, medo e esperança, anseio por Deus, e louvor. Ao olhar para os títulos dos salmos juntos eles podem encontrar alguém com quem eles podem identificar no momento. Recite o salmo devagar e depois discutir como o salmo move-los e que os faz pensar.
Outra maneira de se aproximar de Deus em conjunto é apenas falar sobre o que eles pensam em suas mentes e o que sentem em seus corações. O que você está agradecido esta semana? Quais as dificuldades que surgem em suas vidas? Qual a necessidade dos outros e de Deus? Responda a estas perguntas honestamente e em seguida, oferecer orações de súplica a Deus. Lembre-se de dar graças a Deus por ele fielmente responder aos seus pedidos.

Terceiro Passo: Compartilhe o Amor
O terceiro passo é derivado da Liturgia Eucarística. Depois de descobrir Deus em oração pode aprofundar a sua partilha no amor mútuo. Compartilhando o amor no contexto da frase, isso pode incluir um grande beijo, um longo abraço, descansar nos braços do outro, uma declaração de amor ou outra expressão genuína do amor  Mais uma vez, com um coração agradecido, esta  intimidade aprofunda a presença de Deus.

Quarto Passo: Servir o outro de fora , no temor de Cristo
Como seu tempo juntos se aproxima do fim, lembre-se de ir em paz para servir ao Senhor e aos outros.  Que a Oração e intimidade nunca acabe! Seu serviço e de privacidade para viver cada dia como cozinhar, limpar, escutar, trabalhar, etc. O fruto que brotam de sua rotina de oração abençoa seu casamento, aprofunda o seu amor a Deus e um para  com o outro, e permitir-lhes refletir o amor entre Cristo e sua amada esposa, a Igreja.


domingo, 29 de julho de 2012

Casais: “o rosto sorridente e doce da Igreja”.


CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 23 de julho de 2012.

O Papa Bento XVI enviou neste final de semana uma mensagem especial para o participantes do 11º Encontro Internacional do movimento de espiritualidade conjugal Equipes de Nossa Senhora. O evento, que teve início sábado, 21, em Brasília, acontecerá até a próxima quinta-feira, a partir do tema "Ousar o Evangelho". Cerca de 8 mil pessoas de mais de 50 países participarão do encontro.
A mensagem do Santo Padre foi lida pelo arcebispo de Aparecida e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Cardeal Dom Raymundo Damasceno Assis, durante a cerimônia de abertura. Na missiva, entre outras coisas, Bento XVI cumprimentou os participantes do movimento, elogiando seu forte trabalho em favor do matrimônio.
Conforme o Santo Padre, os casais das Equipe de Nossa Senhora "proclamam , não tanto com palavras, mas sobretudo com a vida as verdades fudamentais sobre o amor humano e sobre o seu significado mais profundo". Neste sentido, Bento XVI citou um trecho de uma mensagem enviada pelo Papa Paulo VI, em 1972, aos casais das equipes de Nossa Senhora:
"Um homem e uma mulher que que se amam, um sorriso de criança, a paz de uma lar: eis uma pregação sem palavras, mas extraordinariamente persuasiva, na qual cada homem pode já pressentir, como que por transparência, o reflexo de outro amor e o seu apelo infinito".
Segundo o Papa, tal ideal proposto na carta de Paulo VI pode parecer muito alto, mas é por isso, de acordo com o pontífice, que o movimento incentiva seus membros "a beberem constantemente nas fontes da graça do sacramento do matrimônio e da participação na Eucaristia dominical".
O movimento, conforme o Santo Padre, também propõe a seus membros "um método rico de compromissos e sugestões simples e concretas para viverem no dia a dia a espiritualidade encarnada de esposos cristãos". Sendo um destes conselhos o diálogo pessoal periódico entre os cônjuges, para esclarecer os problemas do casal.
"No nosso mundo tão marcado pelo individualismo, o ativismo, a pressa e a distração, o diálogo sincero e constante entre os esposos é essencial para evitar que surjam, cresçam e endureçam incompreensões que, infelizmente, muitas vezes acabam em rupturas insanáveis que já ninguém ajuda a consertar", destacou o pontífice.
Bento XVI lembrou também aos participantes do encontro as comemorações pelo cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano II e pelo Ano da Fé. Convidou, então, os casais cristãos a serem "o rosto sorridente e doce da Igreja", os melhores e mais convincentes arautos da beleza do amor sustentado e alimentado pela fé, dom Deus oferecido com largueza e generosidade a todos, para que possam encontrar cada dia o sentido da sua vida".
Fonte Zenit.